.
.
.
.
.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Do redescobrimento


eu redescubro muito. redescobri “houses of the holly” e “tangerine” depois de anos. redescobri aquela torta de maçã, o perfume que eu usava muito tempo atrás e que ainda me agrada. redescobri Incubus recentemente. redescubro minha família de vez em quando, redescobri o meu disco do secos e molhados, dia desses. redescubro especialmente musicices. costumam ser redescobertas musicais.

e como ando muito atrevida, andei redescobrindo pessoas. agora foram algumas que pingam na minha vida vez por outra, pessoas pra quem eu nunca neguei um sorriso – e com quem, na verdade, houve poucas chances de partilhar de mais que isso. é interessante e um pouco surpreendente que elas tomem formas diferentes nos meus olhos – fato que pode ser bom, ou ruim – e interajam com a mayra que nem existia antes.

a minha cabeça que não pára não consegue não se perguntar como se sente alguém que é redescoberto. será que sempre se percebe? acho que eu fui redescoberta recentemente. deixa eu saber aqui e falo (ou não) pra quem se interessar.

3 comentários:

carmim disse...

acho que não fui redescoberta recentemente por ninguém, salvo por mim mesma. mas acho que fui descoberta, vale? ser redescoberta é muito significativo. e ser descoberta é emocionante.

enfim.

redescobri algumas pessoas também, quérida.

gmail me!


beijo!

jhoythinha disse...

eu vivo redescobrindo pessoas!
acho ótimo que possamos ver as coisas com mais atenção depois de um certo tempo...principalmente as pessoas...É como uma segunda chance a nós mesmos.

Para alguém que vive muito de passado como eu,(Não, eu não passo roupa pra fora!)isso até que é natural...hehe!

=*

Luiz Felipe Leal disse...

são nessas epifanias que viramos pôr-do-sol.


redescobrir é mesmo mágico.



abraços.