.
.
.
.
.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

dos desabafos


Eu sempre fui amiga dos meninos. Sempre andei com os meninos e sempre não tive paciência pras meninas. Desde criança, eu acho.

O fato é que isso me ajudou muito quando eu passei de amiga dos meninos a namorada de alguns deles. Pra mim algumas coisas são um pouco mais compreensíveis que pra maioria das minhas amigas, por exemplo.
A despeito disso, uma coisa me azucrina a cabeça: por que raios os homens não sabem o que querem da vida?

É claro que existem exceções e tudo mais, blá, blá, blá, mas em geral - e eu digo isso com base em conversas com caras com que eu tenho ou já tive algum grau de relacionamento. De amigo a namorado (não que existam duas classes estritamente separadas e...) - os meninos não sabem o que querem da vida. E muitas vezes nem é por maldade. Seria imaturidade? Seria a não necessidade de crescer logo? Seria uma pirraça que eles fazem comigo? (adoro teorias conspiratórias)

Queridos, não existe a necessidade de tratar toda mulher como se ela fosse a) puta ou b)moçoila indefesa casadoira que quer véu, grinalda, marcha nupcial e ter filhos depois de dois encontros.
Existe o meio termo. Como quase tudo no nosso mundinho lindo, existem as moças meio-termo. As que não querem se envolver demais, as que não querem casar nem a pau, as que não estão nem um pouco interessadas na marca do seu carro novo, as que conseguem sobreviver a um sábado sem você (que possivelmente será dividido com um monte de amigas, comida e música boa, ou boteco, ou qualquer coisa interessante, já que você não é a coisa mais absolutamente necessária do mundo). Parem de complicar tanto a coisa.


Meninos, adoro vocês, mas os senhores andam muito difíceis.






3 comentários:

Cachorro de 3 pernas disse...

Por isso que eu só tenho amigos imaginários... :P (o que não é mentira)

Joyce Pfrimer disse...

Assino embaixo!

essa meninada anda difícil! E nós é que não nos fazemos entender....ai, ai...

o jeito é continuar dividindo com um monte de amigas, comida e música boa, ou boteco, ou qualquer coisa interessante! ;)

Renato Mendes disse...

Bom desabafo.

A impressão que tive é que ao inverter as posições na mesa do jantar você deu asas para o grito de libertação feminista contra as terríveis alcunhas do nosso machismo.