.
.
.
.
.

sábado, 24 de janeiro de 2009

dos queixos


Eu gosto de queixo. Fazendo uma retrospectiva mental aqui, vejo que sempre gostei, mesmo bem antes de saber que eu sou super queixuda (aos 22 anos de idade eu reparei que tenho um queixo quilométrico e fui perguntar à minha mãe por que ela nunca me contou isso. A resposta foi categórica: eu sempre achei que seu problema ortodôntico - que era bizarro - era por conta do seu queixo. Fiquei horrorizada).

Dentre os queixos todos, há um tipo que me agrada mais: queixo de bebê. Quando a Luísa era bem pequenininha, às vezes eu a chamava de "queixinho", vocativo que era sempre acompanhado de uma apertadinha no queixinho bonitinho.

Eis que essa semana eu fui à casa da Lu e ela se encontrava com um bico que poderia nocautear alguém a 2 metros de distância, absolutamente emburrada. Me sentei na cama onde a criança estava e ela deitou a cabecinha na minha perna. Observe que ela não ria do Gaguinho e do Patolino (quase uma blasfêmia). Eu alternava entre o desenho e, madrinha babona que sou, olhar pra emburradinha no meu colo. Num momento X, peguei no queixo dela. Ela se virou, agora sorrindo, e perguntou:
_Queixinho?


Cara... caara... caaara!
Minha menininha é tão muito linda!!
^^


3 comentários:

carmim disse...

que fofura, meo deus!

Solin disse...

^^
é... faltou um marcador: fofices e deliciosices

:)

Luiz Felipe Leal disse...

hahaha, mas enfim, vc é mto, mto, mto boa nesse negócio de "cotidianizar".

um abraço.