.
.
.
.
.

quinta-feira, 30 de abril de 2009

de coisas que irritam e coisas que acalmam


Existe uma coisa (dentre 7.351) que me irrita profundamente: não me deixarem ficar triste em paz.
"Mas isso não é motivo pra ficar triste!" ou
"Eu não me sentiria assim, se fosse você. Vai lá dentro, troca de roupa e vamos sair."

Oi?

Eu me sinto como eu quisé (oi, Joycia!) e pronto. Que coisa!
Quando eu achar que é hora de não ficar mais triste, eu paro de ficar triste. Até lá, gosto que me deixem chorar assistindo comercial de margarina, ou o Ben Harper cantando Walk Away enquanto tricoto um gracioso cachecol grená, ou ainda, por razão alguma, só porque chegou no limite de sentimento. E "leave me alone" é o pensamente mais freqüente (a resistência do trema!) na minha cabecinha perturbada.

Isso é bonito, cidadão (faça uma pesquisa nas músicas mais bonitas que você conhece. Quantas são alegrinhas?).
Outro dia, eu estava bem pra baixo e ao responder como andavam as coisas, disse que elas estavam bonitas e tristes. Tristeza, pra mim, é assim. É parte da vida e tem mais é que ser sentida, mesmo. Não, as coisas não podem ser só tristes, mas essa necessidade do mundo de ver um sorriso de sol na cara da criatura, mesmo quando por dentro tá tudo chovendo, me irrita. Pro-fun-da-men-te. E e vou dizer uma coisa: uma Mayra irritada incomoda muita gente (muito mais que o elefante)! =P


E mudando levemente de assunto, vou bancar a estrela e agradecer pelo Oscar.
Compensa taaanto escrever aqui!
Meus poucos, mas fiéis (?) leitores me fazem feliz. Vocês 5 melhoram meu humor lindamente!
Tava pensando nisso mais cedo, por conta de uns comentários nos dois posts passados e me veio uma musiquinha na cabeça (musiquinha que o Cadu cantava lindamente aos 3 aninhos de idade! *.*). Vamos lá:



É super mega über deliciosamente bom saber que tem gente que lê, presta atenção, leva pro fim de semana as bestei.. digo... coisas que eu escrevo aqui. Isso é melhor pra levantar o moral que qualquer "troca de roupa e vamos sai de casa". E ainda não me chama de mulambo (tá... me chamar de mulambo não é ofensa. Adoro um mulambo!)!


É isso por hoje, meninos e meninas.
Reclamações, agradecimentos, duas músicas, um sorriso bem sincero, embora um pouco triste . E uma flor.




Bom feriado pra gente!
;)






Acho que já tenho material pra escrever meu próprio livro de auto-ajuda.
=}

6 comentários:

Solin disse...

amei a flor; adoro um mulambo também (viva nóis!)!
viva esse mundo blogueiro pelo qual me apaixono (e desapaixono de vez em qdo) onde a oportunidade de conhecer, digamos assim, o interior/pensamentos do outro antes da imagem, apesar dos fakes, dissiMULAções, etc, é mágica.
:D

desde o primeiro momento que li teu blog, senti que eras uma pessoa de bem hehehehe
^^

um dia tava pensando sobre tristeza essa. vc tem razão, por exemplo: qdo algo triste acontece, a gente quer mais é chorar, exprimir/espirrar/cuspir o sentimento, a emoção pois guardar é inutil. só faz mal a mente e ao corpo. algumas pessoas só sabem ajudar assim: achando que isso fará melhor, e faz-se necessário levar em consideração que ngm gosta de ver um querido triste.
a solução é ser presente, auxiliando no que o outro pode precisar, respeitando, abraçando, beijando ou simplesmente dizendo: qualquer coisa me liga/ mais tarde te ligo pra saber como vc está.

ai ai..
(L)

Tat's! disse...

sou apaixonada por seus textos. sempre leio! não lembro se já comentei, mas hoje, especificamente hoje, resolvi te parabenizar por ser tão boa nisso! me encanto sempre. mesmo=) então, parabéns! não só pelos textos, mas pela organização, as fotos, os recadinhos aos que te acompanham!

fofa, muito fofa!
e desculpa a invasão, mas não resisti a esse seu texto deliciosamente bom de ler. :)

Tat's! disse...

Iiiiieeiii!!! Será uma honra tê-la por lá, menina!

Um beijo! :*

Bowler Hat Strange Guy disse...

Me faz feliz e diz que eu tô entre esses 5, diz...
Hahahahaha

Não tô muito sensível hoje por causa da Virada (ainda tô meio elétrico, e leva uns dias pra passar...), mas se não concateno algo bonito pra dizer sobre a tristeza que tem direito de ser, ao menos me junto ao time.

Porque "a tristeza é minha, ninguém tasca e eu senti primeiro" é uma frase tão feliz quanto chorar no cantinho perto da janela num dia de chuva (não, eu não faço mais isso, mas ainda acho tão bonito...).

Roubando descaradamente o Lobão, tomaí um trechinho que pode servir pra espantar quem tenta te roubar de dentro de si quando você não tá muito afim de rir à toa:

"E como um deus que não se vence nunca
O seu olhar não consegue perceber
Como uma chuva, uma tristeza, podem ser uma beleza
E o frio, uma delicada forma
De calor."

Beijasso, Mayra, e vá perdoando o ritmo cascudo. Cada dia a gente tá de um jeito...
:)

Joyce Pfrimer disse...

Grená! acho tão linda essa palavra!!!

Eu tb penso que as pessoas poderiam nos deixar ser tristes em paz! "se a gente quisé!", mas ao mesmo tempo...é bom saber que a gente tem alguém que se preocupa de verdade..e que é à essas pessoas que a gente vai pedir colo, ou um dos ombros pra melecar...e essas mesmas pessoas entenderão quando quisermos simplesmente ficar sozinhos...e ainda assim não ficaram magoadas, vão entender!

E me lembrando do seu comentário em um dos meus "posts auto-ajuda"...vc tb é boa demais, mas é melhor ainda em disfarçar isso! hehe!

beijoca!

Anônimo disse...

Oi *-*
Amo seus post me identifico mt mt, tbm amo um mulambo rs' e parece que vc me entende uhuul =D