.
.
.
.
.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

dos relacionamentos


Relacionamento é um tema recorrente nas minhas análises interiores meio despropositadas. Essa necessidade que se tem de receber atenção, de se sentir bem quisto e tudo mais é uma coisa que me intriga. Tá, tá... a gente vive em sociedade e precisa se integrar [/entregar?] a ela. E como eu não entendo lhufas de teorias sociais, a despeito de viver entre sociólogos e antropólogos de variadas idades, caras e correntes de pensamento, vou me ater aos meus próprios critérios despropositados.

A (minha) verdade é que quando se encontra o relacionamento ideal (que depende de uma gama muito grande de fatores e pra cada pessoa esses fatores podem mudar drasticamente) e porventura esse relacionamento vai parar em algum lugar escondido, não se consegue mais ter relacionamentos cuja qualidade seja inferior. Observe que o inferior de uma pode, obviamente, ser o ideal de outra pessoa. É aí que a coisa degringola de vez. Paciência, condescendência e outros substantivos bonitinhos chegam pra amenizar a falta de tesão pelo relacionamento. E vamos lá... quem sobrevive sem um mínimo de tesão por o que quer que seja? Tudo fica chato, perde as cores (o que pra mim não é desvantagem, quando se trata de comidas industrializadas. Minha alergia explica) e enche o saco. É isso. As coisas e pessoas e vozes e caras e músicas (!) começam a encher o saco. Nesse ponto a vida precisa ser reavaliada. Não dá pra viver. O custo do conforto de não ter surpresas é tédio e falta de graça. E pode ser coisa minha, mas esse custo é alto demais, não compensa.
Outros relacionamentos ideais podem aparecer. Enquanto isso, estreita-se o círculo, mas cuidando pra manter livre uma abertura.





Escrevi sobre isso hoje, porque é um dia importante no meu mundo: aniversário de três relacionamentos ideais. Pri e Beto, meus desejos para os dois são os mesmos, com ligeiras variações direcionadas à necessidade de cada um. Vocês dois são muito queridos. E embora nos vejamos muito menos do que eu gostaria, meu carinho é gigante. Mesmo.


Quanto à outra mui grande importância do dia 08 de junho, deixemos no ar, fiquemos por aqui.
Os outros

7 comentários:

Joyce Pfrimer disse...

Achava que essa história de relacionamento ideal era história da carochinha! Mas acho que posso ser menos cética, a vida tem me dado exemplos de que é possível sim (para mim ainda não, mas fico feliz com a felicidade dos outros!)

tiago araujo disse...

relacionamento ideal, pra mim, é o equilíbrio entre o respeito e o raiozinho colorido que faísca no encontro da namorada atleticana com o namorado cruzeirense.

( ;

carmim disse...

pro inferno os relacionamentos. tudo vai acabar mesmo.

Tati disse...

pro inferno os relacionamentos. tudo vai acabar mesmo. [2]

desculpa o rancor. ;o~~

Plaisir,je m'appelle Paula... disse...

Relacionamento (os amorosos) é uma constante partida de paciência...misturado com truco(blefe,sempre tem) e poker (em que vc aposta td, sempre).Aí vc cai num buraco, qd bate a carência pega o morto...mas qd vc ganha......ahhhh, é uma delícia :P
P.S: não sou viciada em jogos de cartas =P

Sebastian. disse...

"Gurb Song" -Migala.

(!)

R.R. disse...

Sem dúvida, meu preferido!^^

;*