.
.
.
.
.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

do silêncio



|
Duas pessoas ensinaram a uma terceira, considerada verborrágica desde o primeiro ano de vida, a arte do silêncio.
A verborrágica, que já admirava o silêncio, aprendeu e gostou.
Desenvolveu o silêncio em si e o entendeu.

Quando foi agradecer a um dos tutores silenciosos, o que sentiu foi um misto de espanto e curiosidade.
_Sabe? A verdade é que me incomoda; não gosto.
_Como?
_Eu não gosto do silêncio.

9 comentários:

Tati disse...

E mesmo assim ela continuava quieta? :oS

Manoel Leonam disse...

Silêncio bom é o que diz alguma coisa. Verborragia é ruim, porque quase sempre faz barulho e diz nada. Mas, como quase tudo, há os momentos de exceção.

Caryna Sousa disse...

pow verborragia silenciosa?

o0

q coisa .... diferente!

=*

Bowler Hat Strange Guy disse...

Que mania de surpreender, hein?
O gostinho do estranhamento traz o que se convencionou chamar "frescôr".
Tem coisa melhor que o novo que chega sem aviso e nos pega despreparados?

Eu desaprendi a elogiar — apenas quando o elogio deve ser muito grande: me faz sentir minúsculo. Ainda não sei lidar com isso.

Felizmente eu sei lidar com links.
:)

Outro obrigado, xuxu! Com beijos em anexo!

Toni Barros disse...

Coisa mais linda é o silêncio.

Quando vc encontra alguém com quem consegue ficar em silêncio durante horas, existe companhia melhor?

seu gordo disse...

odoro o silencio ele me diz muitas coisas,beijo do gordo

solin disse...

engraçado, esse silêncio q inspirou Zeca Baleiro é magnífico. Essa semana li um e-mail sobre o silêncio..

o silêncio me chama..

beijo-a

Marina disse...

eu viro amiga do silencio, quando ele vira meu inimigo.

;)*

Joyce Pfrimer disse...

silêncio é bom...eu acho lindo!