.
.
.
.
.

sábado, 12 de dezembro de 2009

das verdades



 ... quando, olhando pra trás, percebo que uma das coisas que mais me fizeram mal foi a escolha de evitar demonstrar - acredite: eu evitava tanto quanto possível. Tudo o que você viu foi a ponta do iceberg -  o que sentia e, pra ser coerente com minhas próprias opções, não te ligar no meio da tarde pra dizer "olha, eu te amo de verdade e, se isso for uma doença, acho que nunca vai passar, porque eu te ouço nas minhas músicas e te vejo em cada prato que preparo pra matar a fome, que eventualmente me dói também, ou quando deixo de calçar, se eu for te encontrar, aquela sandália que eu adoro por ser a mais confortável do planeta e você declaradamente detesta." 
Me incomodava tanto, porque em determinado momento eu descobri que no fim das contas o amor é meio que isso mesmo: usar uma sandália um pouquinho menos confortável quando fosse te encontrar.




 







Tattoed all I see, all that I am, all I will be.

8 comentários:

Marina disse...

isso é bem verdade. e é até ótimo quando vc põe por exemplo, o all star numero 36, sendo que voce usa 38, pra ver o "txururu" no barzinho preferido.

fiz isso ontem. Hihi. ;******

Marina disse...

ah. suspirei demasiadamente, vendo o Vedder jogando esse cabelo maravilhoso e estonteante. Oh Lord!

Joyce Pfrimer disse...

o amor é mesmo aquilo q nos tira do nosso conforto...
ótima definição!
=*

Tati disse...

Mas veja, você não pode passar o tempo todo deixando de usa a sandália que gosta só por que ele não gosta pois, em uma análise mais profunda e provavelmente duvidosa, isso significa que você estaria deixando de ser um pouquinho quem você é só prá ele gostar mais de você.

O que, de certa forma, é o que a gente sempre faz por amor.


Acho que eu tinha uma lição de moral aqui no bolso prá dizer, mas me perdi.

@_-¯Cristiano Quaresma¯-_@ disse...

Amor certinho, sem arestas,
sem devaneios, sem conjecturas,
seria um Amor sem graça,
sem sal, sem a doçura
quase insana das incertezas...
E assim se segue...
NAMASTE!

Cachorro de 3 pernas disse...

Tipo isso mesmo, a gente se submete a ficar cheia de calos esperando que o outro tb tenha uns calinhos pra lembrar de vc, mas - nem sempre acontece - a gente faz tanto, tanto que o outro se acomoda e vc fica com o pé todo fudido e ainda fazendo passagem no dele hehehe
Da pra fazer essa metáfora por horas...

Solin disse...

apesar de doer, eu vejo um lado bonito do sentir; essa definição...
é bonita p refletir, mas dói mesmo.

enfim, já creio q amar pode ser ignorar todos os motivos existentes p não dar certo um relacionamento, pois ao encontrar que "achamos ser a pessoa idel" p amar, alguns sorrisos e suspiro superam tais desconfortos.

não sei se é assim p semre ou c todos. no momento é dessa forma q acredito ser, resultado de várias observações..

=**

Manoel Leonam disse...

Cara, perfeito. Há momentos que você escreve com uma precisão inspiradora. Deu vontade de me arriscar a escrever também algo breve e forte (ao meu estilo, claro...). A melhor leitura é aquela que te dá vontade de escrever.