.
.
.
.
.

sábado, 9 de abril de 2011

da segunda parte


** Eu só ia postar a segunda parte amanhã, mas fui bombardeada com quatro muitos pedidos e, legal que sou, resolvi publicar agora. Sô linda? **
** Se alguém tiver perdido a primeira parte, fasfavor de se atualizar, que ela é importante para a segunda. =)
Sem delongas, vamos a ela. **




Depois do showzinho de Iago no boteco, Maria foi questionada acerca da profundidade do relacionamento que tivera com ele, se é que vocês me entendem. A resposta, segundo ela, foi algo do tipo:
_A gente até foi prum motel, mas tava todo mundo bêbado e a gente dormiu.

Quer dizer, né? Não comeu ninguém dessa história. Ou quase ninguém.

Assim que soube da possibilidade do seu nome correndo em mesa de boteco - que ela frequentava, por sinal -, Maria ficou bem puta da vida e, como sempre fazia quando alguma coisa muito séria a incomodava, calou-se. Comentou com a mãe e a irmã, pra evitar possíveis fofocas, afinal não sabia onde - e o mais importante: a quem - mais a lorota teria sido contada.

Iago, essa pessoa tão gentil, ligava para Maria oferecendo carona quando ela estava na cidade vizinha. Ligava a qualquer hora, interrompendo sono, trabalho e sexo. Inconveniência define. E ela, com uma paciência de Jó, ignorava as ligações como se não houvesse amanhã. Mensagens eram igualmente ignoradas. Na verdade ela nunca teve muito saco para as reações muito mexicanas dele.

Maria tinha plena consciência que, muito mais que afrontá-lo, muito mais que perguntar ou acusar, ignorá-lo teria o efeito mais forte sobre o eguinho polido diariamente com mentirinhas e roupas de marca. Maria sempre gostou de ser educada, portanto não armaria o barraco que, em determinado momento, até quis armar. Optaria pelo silêncio. E dizem que a gente não erra com ele [isso é uma mentira da grossa. Erra-se com o silêncio, SIM, mas nesse caso lhe parecia a coisa menos desgastante a se fazer].

A cidade é pequena e as pessoas que saem de casa acabam se encontrando.

Ela estava num restaurante, com mais de dez pessoas sentadas à mesa, rindo e conversando, além de mais 4 amigos, dentre eles estava Josi, que optaram por se sentar em outro pronto do restaurante. Sendo os dois grupos de pessoas muito queridas, Maria se revezou entre eles e foi de uma mesa a outra algumas vezes. Eis que em momento inoportuno, porque qualquer momento seria inoportuno, Iago apareceu e cumprimentou toda a mesa, se utilizando da premissa que todos querem ser seus amigos. Maria fingira não vê-lo até o momento em que ele se dirigiu diretamente a ela e, para evitar constrangimentos à mãe de um amigo, que estava na mesa e definitivamente não merecia uma noite desagradável, ela respondeu com a cara impassível um "Boa noite" quase inaudível e um aperto de mão ao qual se sentiu obrigada, já que ele enfiou a mão na frente dela. E levantou-se para abraçar o amigo com quem Iago chegou.

Quando mudou de mesa para conversar com Josi, passou pela mesa de Iago, ele fez menção de se levantar, ela fez que nem o viu. Era razoavelmente boa em ignorar alguém com veemência e foi assim que Maria procedeu todas as vezes que teve o desprazer de topar com ele.  Ela confessa que passou a se divertir com o desconforto que causava.

Continuou ignorando telefonemas e quando ele ligou de número desconhecido, teve a delicadeza de dizer que poderia dizer tchau ou teria um telefone desligado na cara dele. Gentileza, vai.

Depois disso ele resolveu mandar um e-mail que transcrevo aqui [e está transcrito, então não pensem que eu escreveria dessa forma horrenda, sim? Obrigada. Ah! Não! Quero dizer: eu inventei uma pessoa que escreve dessa forma horrenda, claro. Claro].


Prestenção:

Ola Maria,

Sei que vc está muito chateada comigo pelo oque aconteceu mas mesmo assim gostaria de esclarecer algumas coisas, melhor se fosse pessoalmete ou por telefone, mas creio que impossivel.
Quando ficamos rolou algo muito bacana pelo menos pra mim, mas eu deixei super claro que não queria envolver sentimentos e nem queria namorar aquela epoca e nem que rolasse algo mais profundo, no entanto eu pisei na bola em ter ficado com a Renata pois vcs eram amigas e a gente ainda ficava de vez em quando.
Sei que fui um vacilão em ter feito isso, mesmo que fosse algo que eu quisesse muito, acho que isso causou problemas no relacionamento dela com o Samuel, na amizade dela com a Josi e varias outras coisas como conseqüência, era inevitável.
Com certeza eu nunca teria coragem de te abrir que aconteceu algo entre eu e ela, mas isso uma hora iria chegar no seu ouvido como de fato aconteceu pois tinha varias pessoas sabendo e todas elas são amigos em comum.
Maria na minha cabeça eu entendo que errei bastante nisso, pq envolveu varias pessoas e a unica que não tinha muito a perder era eu, oque eu arrisquei foi uma amizade que estava construindo com vc, e isso tava sendo muito bom pra mim, mas na época eu quis arriscar em nome de uma aventura que eu ja sabia que não iria longe.
Gostaria que vc conseguisse me desculpar por isso, pois considero vc uma pessoa especial e não queria perder a sua amizade.  


Maria se surpreendeu com as novidades que já não eram mais novas e foi atrás de JosiJosi, coitada, sabia e se sentia mal por isso. Explicou que não queria ver Maria chateada com a história, então tratou de engoli-la, mas não sem praticamente adoecer por isso.
Pronto. Mais uma coisa a emputecer nossa protagonista. Não o fato de a amiga saber, mas ela ter se sentido mal por gente tão pequena. E justo ela!
Maria mostrou o e-mail para Anna, outra amiga - bem boa em esculachamento por e-mail - e depois de uma revisão, para não pegar muito pesado, enviou a seguinte resposta:


Iago,

Começo te informando que dei muita, mas muita risada desse e-mail. Você não faz a menor ideia do quanto me diverti enquanto o lia.

Pra início de conversa: não, ninguém me contou que você e a Renata ficaram. Soube disso apenas quando você me informou, olha que ironia! Algumas pessoas sabiam que eu não ligaria, outras se importaram comigo e me deixaram na bênção da ignorância, ou seja, nenhum dos dois grupos me incomodou com fofoquinha.
Pode até ser que, se eu soubesse disso na época, ficasse um pouco chateada, sim, por ter sido a Renata. Hoje me fez rir.

Eu não sei qual parte do "Eu também não quero me envolver com você" ficou mal explicada, mas alguma parte deve ter faltado. O fato de eu ser legal ou carinhosa com você tinha por razão o fato de eu ainda não ter sabido e percebido algumas coisas.
Pode largar mão de ser tão presunçoso. O mundo não gira ao redor do seu umbigo e seu charme está bastante aquém do imaginado.
Você achava que eu queria me casar com você, é isso? Porque me lembro muito bem de ter deixado claro que não queria um compromisso e que nunca dei a mínima para o fato de você ficar com quem bem entendesse.
Foi vacilão. Realmente.
E o único motivo pra me fazer sentir raiva nessa historinha suja é vocês dois terem feito mal à Josi. Isso é passível de ódio da minha parte. Deixar minha melhor amiga - e facilmente uma das pessoas mais fantásticas que conheço - triste e com crise de consciência é algo que me irrita muito profundamente. Fora isso, como já disse [detesto me repetir, no entanto, como você parece ter dificuldade em entender coisas simples, repetirei. Ser professora me ensinou que, como algumas pessoas têm problemas cognitivos, devemos ter paciência e insistir, até que entendam exatamente o que queremos dizer], nunca dei a mínima pra o que acontece entre você e quem quer que seja. Agora, menos ainda.
É excelente que você considere que não tinha tanta coisa a perder. Assim não faz falta.


 
Ela pensou, sinceramente, que isso seria suficiente para não ter mais que lidar com o probleminha chato que Iago havia se tornado. Estava redondamente enganada.

*Continua*

11 comentários:

Orelha ® disse...

muito bom, tem previsão de parte 3 pra hoje?

Joyce Pfrimer disse...

Interessante essa história! Melhor que novela mexicana! rs!!! Conte-nos mais!

=)

Letícia disse...

Gente, e esse cliffhanger? Eu sou cruel demais por estar mais curiosa do que no fim da primeira parte? Porque eu sei que se uma pessoa não se tocou depois dessa, o que vem por aí é incrível.

hipervitaminose disse...

Nossa, num me aguentei e li os post de uma vez só...Que CHEIRO de vida real, hein? E que coisa complicada... Tô amando, POSTA MAIS!!!

Alana Ávila disse...

gente não li a parte um porque enloqueço com a urgencia de ler posts.
odei o email dele, tão t´pico, tão clichê, tão 'você me ama demais e eu não te amo, vamo ter inar'
TO CHEIA DISSO
já tive minha cota na vida ú.u
adorei o email dela <33333333333333333333333333333333333
<3 eternos
e que venha a parte 3 :D

Anafla disse...

Confessar que essa segunda parte está demais.

Mas como disse a Letícia, se a pessoa depois desse email não desistiu, o que vem por aí vai ser incrível.

*curiosa*

Livia Holanda disse...

A Maria escreve muito bem,né? A-DO-RO! O fechamento da carta é tipo hadouken triplo carpado. TUPIIIISH!

Parte 3 tá pronta pra hoje ainda? Tem como adiantar uns minuto, pq já vai dar 4 hs aqui. :)

(e cadê o leonardo? ho ho ho)

Giu disse...

Estou aqui abismada com a finesse de Maria no e-mail, porque gente, eu sou muito baixa, já tinha esculachado, e Maria usando termos como "aquém". Gênia essa menina! ;)

Giu disse...

Esqueci de comentar que foi sensacional a escolha de "Ill Never Fall in Love Again", AMO essa música!

Júlia disse...

Vai ser PHYNA assim lá longe no esculacho! E, GENTE, que trouxa o menino. HAHA

Mofos disse...

Não sei porque mas depois de ler me deu uma vontade de ouvir isso:http://vagalume.com.br/new-order/crystal.html

Sensacional, parte 3 logo hein!!!