.
.
.
.
.

sábado, 9 de abril de 2011

da primeira parte




A ideia aqui é dividir em posts, pra não ficar muito longa, uma história muito linda que aconteceu anteontem com a amiga da prima da cunhada da vizinha da minha avó.

Vou começar dando nomes fictícios aos bois:
Ela se chama Maria.
Ele se chama Iago.
A amiga dela se chama Josi.
A outra amiga se chama Renata.
Outros personagens aparecerão no decorrer da história e eles serão nomeados, ou referidos como eu se achar de bom tom.

Esta é uma obra de ficção. Qualquer semelhança com fatos e pessoas reais terá sido mera coincidência. Or so we want to believe.

Vamos lá:

Era uma vez... duas pessoas que se conheciam havia muitos anos. Iago aparentemente gostava mais de Maria do que ela gostava dele, mas isso não vem ao caso. Numa noite em que se toparam no único bar relativamente decente da região, Maria estava com Josi, uma amiga muito querida  e por alguma razão meio absurda da qual Maria não se lembra, ela voltou para casa com ele. O amigo do Iago, vamos chamá-lo de Saulo, tinha, provavelmente por razões sacanas, mesmo, uma garrafa de um vinho delicioso e alguns copos dentro do carro. "Por que?", você me pergunta. E eu te respondo: pra embebedar quem conviesse. Maria bebeu. Mas bebeu meio que prevendo onde isso daria e ficou com Iago. Na hora ela achou bacana e um pouco inusitado, já que a situação nunca passou nem perto da sua imaginação.
Iago levou Maria em casa, emputecendo assim o amigo que ficou esperando sozinho, às 5 da manhã num posto de gasolina.
Ela não tem boa memória, então não soube me informar como foi a relação nesse período, mas acha que ficaram mais algumas vezes até a festa de aniversário.
A tal festa foi conjunta, com Renata, muito amiga de Josi, que era muito amiga de Maria. Foi tudo um sucesso, comida, bebida e penetra sobrando, conflito de interesses, pessoas queridas, pessoas mal vistas. Ela estava muito ocupada com 150 pessoas [e uma que equivalia a essas 150] pra dar muita importância a ele, então nada aconteceu. 
Ficaram mais uma ou duas vezes, fizeram umas micro viagens juntos, e, no Natal, ele e a filhinha ganharam presentes. 


Nesse período ele estava muito preocupado em pegar qualquer rabo de saia que aparecesse pelo caminho e em explicar a Maria que não queria nada sério com ela, ao que foi solenemente rebatido: nem eu com você, então cala a boca, deixa de neurose e me beija. DRs incontáveis, acerca de um relacionamento não existente, aconteceram. Ela pedindo pra ele parar de esquentar a cabeça, porque não tinha nenhum plano de apresentá-lo à família e ele sempre afirmando que não queria nada sério e que gostaria de manter a amizade, porque ela é uma pessoa ótima e especzzZZZzzZZZ

Não se sabe ao certo quanto tempo depois aconteceu, já que a cidade em que moravam os dois é um ovo, um caso interessante. Numa mesa de bar havia quatro ou seis amigos de Maria, incluindo aí o ex-namorado com quem existia um relacionamento interessante [ele foi prontamente avisado de que Iago era seu SÓCIO, mas tudo bem, porque já sabia]. Chegaram Iago e um amigo. Como Iago jura que é a pessoa mais popular em 3 Estados da União, sentou-se à mesa e em determinado momento ouvem-se as seguintes palavras saídas de Iago para um dos amigos na mesa:
_Porque, você sabe, eu já fiquei com a Maria, né?  *CORTA* Casa dela *CORTA* quarto do fundo *CORTA*  a irmã tava junto e... [/bate uma mão no dorso da outra]... foi a coisa mais louca da minha vida.

Bom. 
Algumas pessoas têm tanta necessidade de parecer melhores do que realmente são, tão baixa autoestima, que falam merda. Mas falam merdas imensas e pra quem não deveriam. Iago é um belíssimo exemplo de canalha, por algumas razões que serão expostas a seguir:
  • Se finge de bonzinho e bom menino, o que é deveras irritante;
  • Contar esse tipo de vantagem só é válido quando os ouvintes não conhecem intimamente o sujeito da história, se não eles podem ir até a fonte conferir se é verdade;
  • Pra dizer que comeu, tem que ter conseguido comer;
  • Nunca, em hipótese alguma, se põe a irmã no meio [ou no meio da irmã - tô só adiantando o que vocês, leitores bonzinhos iam completar mentalmente, mesmo].


 ___x___
Isso posto, no próximo capítulo veremos a continuação da história.



*Alô você que já ouviu parte ou conhece personagem(ns) ou participou em algum nível dessa história, por favor, evite spoilers nos comentários, por obséquio. Mas é claro que este é um aviso desnecessário, já que tudo aqui é totalmente inventado. Claro.




5 comentários:

leonardo disse...

você é inteligente demais pras suas companhias, na moral

Júlia disse...

To curiosa, to curiosa! Conta mais, conta mais!

Letícia disse...

HAHAHA, eu ia comentar alguma coisa, mas depois que li esse comentário do Leonardo, nem preciso mais.

Livia Holanda disse...

BAFÃO!
Virou blognovela agora, é?
Continuaaaaaa! hahaha

Livia Holanda disse...

(e sssshhh, acho que o leonardo tá te querendo... uuuuh!)