.
.
.
.
.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

dos ônibus





Hoje eu me dei conta de um fato: não fui feita pros ônibus.
É um meio de transporte meio confuso, as possibilidades de erro são infinitas - como eu vou saber em que lado da rua eu devo esperar? - e, mesmo quando você acha que nada pode dar errado, você estará redondamente enganado. Redondamente porque o ônibus ficará dando voltas e ninguém chegará a lugar nenhum.

Quando eu era criança pequena lá em Anáps [leia-se: até os 19 anos, quando me mudei], não tinha a noção exata de que era necessário fazer sinal para um determinado ônibus parar. Vejam bem, quando eu estava sozinha, eu invariavelmente estava indo para o centro e todas as linhas vindo naquela direção iam para o terminal urbano, que fica... no centro. Se tem alguém esperando, o motorista para e pronto, é simples. E indo para outros lugares, eu normalmente saía do terminal, então não precisava sinalizar. 
Chegando em Brasília foi esse choque, né, ter que saber nome e número de linha, enxergar o letreiro, conseguir sinalizar, me fazer ver e dar a sorte de o motorista decidir parar. Era sempre uma aventura. Teve aquela vez em que motoristas e cobradores me deram informações erradas e eu peguei 5 ônibus e gastei coisa de 20 reais de passagem num dia só. E aquele dia que eu descobri que tem um ônibus que, em vez de fazer as asas em linha reta, fazia em X. Desenhei pra quem quiser entender melhor.


principais linhas no plano piloto de brasília


Depois de cinco anos de Brasília, dois deles precisando, de fato, de ônibus, eu passei a entender menos ainda o transporte público da capital.

Quando eu estava viajando, a frase que mais falei foi "só no Brasil que isso acontece", porque, prestenção, é tudo igual. Fiquei hospedada na casa de uma tia, a 10 km de Milão. Isso dava 20 minutos de ônibus, que eu pegava numa estação de metrô ainda dentro da cidade. Pois bem, a linha 175, que eu pegava e parava a menos de 100 metros da casa de titia era sempre uma aventura. Na primeira vez, entrei no ônibus certo, conferi com o motorista, ele me mandou passar pro ônibus errado, passei só três cidades do que deveria. Voltei tudo. Fui mais uma vez. Fiquei puta, desci no meio do caminho e fui a pé. Pela estrada. Na segunda, já contando com isso, desci na cidade depois da casa dela e fui a pé mesmo. Na terceira, deu certo. Na quarta, considerando que meu ponto era entre as cidades 3 e 4, o motorista decidiu entrar na cidade 3, dar uma volta, passar na cidade 3A, sair pela lateral e chegar na cidade 4. Numa outra ele resolveu simplesmente não parar quando eu pedi.
Eu descobri, ao longo de três meses, que ela faz pelo menos cinco caminhos diferente e descobri quase todos assim, no susto. Aliás, eu gosto muito dos nomes: Milano - Pavia, que parava em Binasco e na casa da minha tia - e em todos os pontos do caminho; Pavia Diretto, que parava em Binasco também, mas não em casa; Pavia DIRETTISSIMO, essa foi a minha preferida, de verdade. A Itália é linda e desorganizada.

São Paulo, por exemplo, é muito mais organizada, o google maps funciona e você sabe quando o ônibus vai passar. Só é complicado porque são linhas DEMAIS, então tem que ficar atento, porque nem todo Sacomã vai pro Sacomã e às vezes isso pode confundir. Hoje mesmo, eu fui ali pegar um ôns, aqui na rua abaixo da minha, praticamente um desembocadouro de ônibus, mas precisava andar umas quadras, porque o meu não parava aqui na esquina. Fiz o que qualquer pessoa calçando um sapato não tão confortável faria, peguei um outro até lá e esperei o segundo [terceiro, na verdade, tava vindo da rua]. Opa, tá vindo, conferi o número, pulei pra dentro! Ué, subiu, ué, tá indo pro rumo da minha casUÉ minha esquinMas, gente, tá voltando, mas tinha um senhor do meu lado, e, de qualquer jeito, tava voltando pro terminal. Ele se levantou, eu fui perguntar pra cobradora, ela me explicou:
_Ô, meu bem, você precisava ter entrado no Terminal Carrão, aqui é o Conceição!
_Mas não é o [falei o numro, já esqueci a essa altura]?
_Isso, ele é Carrão num sentido, Conceição no outro.
*confusa pra caralho* _Mas eu tava na mesma parada onde peguei da outra vez, não faz sentido...
_Sim, os dois passam lá.
Bem, desci, peguei o certo. Passou na esquina da minha casa.

Tá vendo? É fácil.