.
.
.
.
.

terça-feira, 20 de maio de 2008

das amizades

congeminado com o pensamento na Joyce e na Mariana (e no meu queridíssimo aniversariante do dia 15, que a despeito de todas as coisas desagradáveis ao nosso redor, tem meu respeito, minha adimiração, meus melhores sentimentos – até porque ele não tem nada com o pato.), que talvez achem que esqueci de seus aniversários.

Esqueci nãããão!

=)

Algumas amizades chegam num ponto maravilhoso: é quando você pode tanto dizer tudo quanto absolutamente nada que o outro entende. Entende a opção pelo silêncio, pelo falatório descontrolado ou pelos uhuns e ahans. Nesse estágio de amizade passa-se a chamar o outro de irmão. Talvez até com aquela conotação religiosa, mesmo, blá blá blá, blá blá blá blá.

É mais ou menos por aí que essas pessoas começam a fazer falta. É aí que me caem os cabelos de preocupação por conta do ex-namorado boboca, que anda atormentando; pela cirurgia arriscada que a mãe precisa fazer; pelas mulheres (ou homens) de índole duvidosa com quem se envolvem; pela gripe que não sara, pelo livro que vai sair, pela mudança de casa, pela briga com os pais, pela falta de perspectiva, pelo filho, pelo fim. Quando eu me vejo verdadeiramente preocupada, bolando soluções mirabolantes é que eu saco: essa pessoa é uma minha pessoa.

Entre essas pessoas existem 5 irmãs. A que nasceu minha irmã (eu não fico falando por aí, mas), que desempenha excelentemente o papel, e outras que eu escolhi. Cada uma foi escolhida em uma época diferente da vida. Mentira. Duas se escolheram concomitantemente e já vieram com o mesmo sobrenome, pra facilitar. O fato é que além da Maysa (a propósito, o word acabou de sugerir “mansa” como correção para “maysa”. Coincidência?), eu tenho mais 4 irmãs em degradê: preta, morena, eu, branca e superbranca, pra me completarem.

E nesse ponto do texto, quando me perco nas divagações mil, me lembro do John, meu professor de expressão escrita: “Não saiam escrevendo aleatoriamente. Pre-writing, first draft, second draft, polish and publish!”

Deveria ter feito isso. Me perdi no carinho aqui.

=P

Um comentário:

carmim disse...

que bonito isso, mayra.