.
.
.
.
.

sábado, 14 de março de 2009

das aleatoriedades da vida


Essa noite quebraram um copo nas minhas costas.
Doeu demais e encheu meu vestido - que é de uma malha bem fininha - de caquinhos de vidro. Foi absolutamente deselegante e me lembrou de um evento ocorrido no alto (baixo?) dos meus 9 anos de idade: brincávamos de pique-esconde (nome de brincadeira perdeu o hífen?) e ninguém me achou por 3 ou 4 rodadas seguidas, o que fez as pessoas se e me perguntarem onde diabos eu havia me escondido. Estávamos na cozinha, ao lado de uma bancada de granito. Eu, felicíssima por ser a fodona mor do pique-esconde (que sempre foi minha brincadeira de rua - ou casa, mesmo - preferida), curvei as pernas e pulei, gritando "esconderijo" esconderijo!". Na hora do pulo, bati as costas na supracitada bancada, ela se rachou, foi lançada ao ar e caiu, fazendo um estrondo. Eu caí no chão e todo mundo achou que eu havia fraturado a coluna. A coisa mais grave que me aconteceu foi não usar, durante uma semana, o uniforme da escola, porque a saia pegava bem no roxo que a bancada me deixou.
A propósito, quando minha mãe viu que eu me mexia e andava sem problemas, virou pra mim e disse, com as mãos na cabeça:
_Ai, minha bancada!!!

Belê, mãe. ¬¬


Falando em mãe, ela me deu uma Melissa nova. Não me aguento de felicidade. O difícil é escolher um modelo só. E uma cor só. Dessa vez foi verde.


Existe uma teoria, universalmente difundida, que diz que os filhos de japoneses (e aí entram chineses, coreanos e todo mundo que tem olhos puxadinhos) são mais fofos que os filhos dos outros. Se não, vejamos:

Looking Back Over my Shoulder (comprido assim, mesmo?);

Hey Jude [pra ser básico e cosmopolita. (que?)];

Aquela bonitinha, que canta fazendo bico;

A propaganda de margarina mais fofa ever!

E uma que não é de japinha, e nem tinha como ter um, mas que me faz querer apertar a primeira bochecha rosada (cuidado, Joycia!) que aparecer na minha frente! E ela é cantada pelo ratinho do Castelo Rá-tim-bum. =D


"O" Ratinho


Eu tinha mais aleatoriedades, inclusive algo envolvendo a dominação do mundo por moças feiosas de joelhos cinzas. Contudo, a fofura dos vídeos - e foram todos assistidos pelo menos duas vezes - me fez esquecer da feiúra de outras coisas. Nem vou me esforçar, porque eu prefiro que fique na minha cabeça o "Eeeeeu nasci com o cabelo enroladinho, monte de cachinho na cachola! Toing, toing!!" Ainda que meu cabelo fosse bem liso, quando eu era criança.



Ok, eu sou péssima com "vou parar agora"s. Fui atrás do Ratinho tomando banho, pra economizar o trabalho de quem porventura queira comparar a voz e dei de cara com outra música de rato, que é lindinha.
Tá.
Agora eu parei mesmo.




Parei, nada!
Achei mais essa.


Controle-se, Mayra!!!




Disfarcei bem minhas preocupações?


5 comentários:

Joyce Pfrimer disse...

medo pelas minhas bochechas! hahaha!
adoro mini-japinhas, e eu tendo ou não um japa como pais dos meus filhos, eu sei q eles serão lindos mesmo assim, com esse olho apertado que eu tenho e essas bochechas gigantes, a beleza deles é inevitável! hihihi! Preciso ter filhos e fazer esse bem pra humanidade! haha!

Disfarçou bem eu diria!

=)

Cachorro de 3 pernas disse...

Ai, to bebada, to puta. Nao consijo comentar :P

nathie disse...

Mayra, sempre que você começa a tentar terminar um post (complexo esse negócio de começar a terminar né, mas enfim...) eu me lembro do Homer Simpson... "Agora acabou, não, não, só mais esse, agora sim, ah não, voltei!". Hahah, mas eu me divirto muito, com o Homer e com os posts!

:]
obs.: Tenho dó dos meus filhos, acho que vou pregar durex na beirada dos olhinhos deles e filmá-los o dia inteiro... é, tenho muita dó!

solin disse...

ããããnnn
eu vou arranjar um tempinho p ver seus vídeos fofos ^^

mas vc não terminou a história do copo no vestido, terminou??

*japoneses bebês (iincluindo todos de olhos puxados) não são bonitinhos oO

é normal eu não achar? é só eu?

talita disse...

"mimosa!?"

ah, que bónitinho ^^