.
.
.
.
.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

das cópias


Um ser que vive de música certamente se depara com interpretações, côveres (?), cópias, uáreva de canções vez em quando até se descobre que aquela música de que se gosta infinitamente é um cover . As reações variam entre o nojo absoluto e a admiração hipnótica da coisa. Eu tenho dois copiadores preferidos: Frusciante e Vedder. (Praticamente) tudo em que eles botam a mão fica quase melhor que o original. Temos como exemplo How Deep Is Your Love e Hide Your Love Away, que, me perdoem os puristas, ficaram excelentes.

Falando em Eddie Vedder, o Pearl Jam é tipo campeão em (vou chamar de cover/côveres, belê?) côveres. Na lista de execuções do site deles tem montes, mas mooontes de reinterpretações. E coisas meio inusitadas, até. Crown Of Thorns não é uma das inusitadas, mas é uma das boas. Aí tem o Jeff Buckley, que canta Halellujah, do Leonard Cohen e faz um trabalho infinitamente melhor que o dono da música, assim como o Los Hermanos, cantando A Palo Seco, do Belchior e o Pedro Aznar, meu argentino favorito, cantando A primeira vista, que perdeu um I, virou A Primera Vista e ficou uma coisalindimais.

No Acoustic In Sweden, o Cornell botouprafoder com reinterpretações muito boas e (acho que) a minha preferida é Billie Jean, do recém falecido rei do pop. Sem passar por cima de Peace Love & Understanding, do recém descoberto Costello e Thank You, do recém refeito e redesfeito Led Zeppelin, sem contar dos côveres dele mesmo, com músicas do Audioslave e Soundgarden, mas essas não valem aqui. Led Zeppelin me lembra o Robert Plant, que canta uma música chamada If I Was A Carpenter, que é linda infinito e tem uma cópia feita pelo (aimeudeusdocéumeajudeadizerisso) Ronie Von. Há!

Retornando ao planeta recheado de caras sujinhos vestidos com camisas de flanelado xadrez, tem o Bush (pô, o Gavin não é sujinho nem usa flanelado xadrez... mas serve a imagem) tocando Wild Horses e matando a pau [/momõe]. Depois tem eles sendo legais e fazendo Landslide, do Smashing Pumpkins e o Gavin com a Gwen o No Doubt cantando Sweetest Thing, do U2 (e eu vou arrumar um cara de olhos azuis só pra ele cantar pra mim blue-eyed boy meets brown-eyed girl... ). Ela fazendo a pior voz que conseguia e ele sendo bonitinho com aquela falta de suíngue inerente a qualquer europeu que se preze.

Whiskey In The Jar sempre foi uma das melhores do Metallica pra mim, mesmo depois que descobri que é do Thin Lizzy, uma decepção no alto dos meus 14 anos, rapidamente superada, da mesma forma que superei a descoberta que Higher Ground, além de não ser do RHCP, é do Stevie Wonder, e não do Hendrix, como pensei a vida toda, provavelmente por causa de Little Wing. Acompanha aqui com a tia os carinhas que gostam dessa: Clapton + Sheryl Crow, Pearl Jam, Skid Row (e é a melhor deles. =P), The Corrs, Sting, e os Stevies, o Ray Vaughan e o Vai. Tem mais, porém já esclareci o ponto.

Na trilha dele mesmo, All Along The Watchtower faz algum tipo de sucesso com a galera, Senão, vejamos (eu tenho um amor platônico por essa expressão, o que faz dela a certa, mesmo quando nã é muito apropriada): tem com o Bob Dylan, o U2 (cuja versão eu conheci primeiro), Pearl Jam + Neil Young, Clapton + Lenny Kravitz e a minha preferida, a da Dave Matthews Band, Dave esse que canta uma versãozinha lindinha de In My Life, do Beattles.

O Maynard Keenan faz alguns dos côveres que mais me causaram estranheza: Imagine e When The Levee Breaks, com A Perfect Circle . Essa última eu achava ser do Zeppelin, mas descobri que era cover. E agora, enquanto procurava o nome do autor descobri que é dos 4 do Zeppelin em parceria com o Memphis Minnie [Respeito pelo nome, não trabalhamos]. Não conta como cover, então. OK, OK. Acabei de ver que eles também fazem cover da supracitada Peace Love & Understanding e as três estão no mesmo disco. [morri!]

Pra fechar no campo do inusitado temos o Gnarls Barkley enfiando suíngue em Reckoner, do Radiohead e o Johnny Cash retomando a carreira com reinterpretação de Hurt, do Nine Inch Nails.



Agora eu vou ali preparar alguma coisa pro almoço.

10 comentários:

Solin disse...

hahaha
ah é né?! pois é qdo justamente repenso e volto pra complementar ou refazer a (merda) comentário.

eu voltou rs

^^

Orelha ® disse...

falando de coveres esse Maiden Heaven A TRIBUTE TO IRON MAIDEN tem duas ou tres versões ultra-du-caralho que faz parecer que o Iron Maiden não saibia da capacidade das proprias musicas, uerever tem uma versões very ruins no meio, mas indo a Beatles não a como dizer que GRAM não é melhor que eles mesmos com seus coverês de Moonshine e Across the Universe que me fazem cantarolar durante as execuções, e ainda temos e teremos a versão do HIM de whicked Game que é realmente uma musica muito boa e bonita no lugar da chata/monotona/melosa e ridicula musica original, tambem temos o Master of Puppets do Metallica inteiramente executado pelo Dream Theater que mesmo com o tecladinho não deixa pecar, e o portnoy na bateria mostra o que o lars poderia ter feito para deixar as musicas mais criativas legais e fodas, ignore o vocalista que fede claro... e como o comentario não esta muito coerente pararei de escrever agora.

Cachorro de 3 pernas disse...

Tirando Hurt e mais algumas que eu pensei no caminho... eu "dissssconcordo" de quase todas. Versões são legais, mas raramente conseguem superar o original.

Tati disse...

Meldels, mais um post prá favoritar e voltar várias vezes, pegar os linques. Vamos por partes, como diria Jack Estripador:

Eu não sou muito de côveres [também não sei se é certo assim], mas as que você citou aqui são justamente algumas das poucas que me permito, das que conheço.

Aquela versão do Frusciante para How Deep Is Your Love, por exemplo e todo o Acoustic In Sweden.... nossa, amo demais. Billie Jean foi a melhor surpresa, e olha que estamos falando de um àlbum que tem cover de Costello!!!

Essa do No Doubt tocando U2, e justo uma das mais fofas deles, eu não conhecia, vou começar por ela na fina arte do "clicamento" de links.

E, meu, eu também amo a expressão Senão, vejamos. Juro. Fico inventando coisas para usar, mas não é fácil.

"e como o comentario não esta muito coerente pararei de escrever agora."[2]

;o***

Joyce Pfrimer disse...

tenho trilha sonora pra minha tarde de trabalho agora! ;)

Marina disse...

ênfase para o Acoustic in Sweden. É lindo! e como a tati disse... gente, esse post eu voltarei mais vezes para revê-lo e pegar os links! ^^

-=**

Toni Barros disse...

Que bonita essa versão de Hallelujah.

Em geral eu concordo com a Tadsh e o Cachorro de 3 pernas. Há covers bons, mas dificilmente batem as originais.

Mas ultimamente tenho me surpreendido com algumas coisas, e essa lista está cheia de surpresas pra mim.

Saulo disse...

http://www.cover-vs-original.com/

Será que você é você? Não vi nenhuma foto, mas imagino que vc seja você, anapolina, que fez (tcharam) LIBRAS comigo, dois semestres atrás.

Eu? Eu me chamo saulo.

beijo.

(o site é legal)

ssaauulloo@gmail.com

Leo Vasconcellos disse...

Faltou I Believe in Miracles do Pearl Jam. =)

Alex disse...

Confesso com toda a vergonha do mundo que sou um purista... que ouvir um amigo dizer que The Police estragou King of Pain da Alanis (?) foi como um uma facada no bucho...
Mas revendo meu conceito recém-formado começo a lembrar de alguns, e claro que minha banda preferida, Faith No More, é adepta dessa prática, um cover duvidoso: I Started a Joke (Bee Gees), um idêntico: Easy (The Commodores) e um better than the original War Pigs (Black Sabbath). Aí esse ano eles voltam e começam alguns shows como em SP com Reunited, tá, tá, sei que aí é outra coisa falando, não tô sendo imparcial, mas se liga http://www.youtube.com/watch?v=IRkD19sGqhU

Bom, não tem só FNM no mundo (mas se tivesse tb, ok, rsrs), vou revendo conceitos e quase apagando aquele twit de ontem, ainda mais quando lembro um do Costello que os Raimundos regravaram, desculpa Tati, mas ficou better than the original too, Oliver's Army.

Bom, ok, vc venceu, batata-frita... ;)