.
.
.
.
.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

das fugas


Mente agitada, coração apertado, mão na massa!

Tava com vontade de comer cookies, procurei umas receitas e não achei nada que concomitantemente me agradasse e combinasse com os ingredientes que já tinha em casa. Então misturei um monte e saiu essa aí, que chamei de Cookies quase-desastre. (ok, o nome não é bom, mas é que ficaram feios, apesar de gostosos o suficiente pra eu repetir outro dia. )

Foi assim:

_200 gramas de margarina;
_1 xícara de acúcar;
_2 ovos;
_1 xícara mega cheia de aveia em flocos grossos;
_1 xícara e meia de farinha de trigo;
_1 colher de mel;
_1 pitada de canela em pó;
_1 pitada de noz moscada;
_nozes picadas;
_castanha de caju ou doPará;
_doce de casca de laranja (aquelas tirinhas açucaradas, sabe?);
_uvas passas;
_chocolate branco ou ao leite, ou amargo, ou o que der na telha, picado.


Como "Prepare sua fonte musical" é o primeiro item de todas as minhas receitas, peguei o Ipod amigo e comecei com essa aqui (era a que estava no gatilho. So what?).

Liguei o forno e o deixei se aquecendo com música de esquentar.
Misturei os 8 primeiros ingredientes. Juntei meia xícara de nozes, mais ou menos a mesma quantidade de castanhas de caju trituradas e mexi, mexi, mexi, ouvindo música de mexer.
Em assadeiras previamente untadas, fiz montinhos com aproximadamente uma colher de sopa de massa, beeeem separados (5 porções em uma assadeira grande), porque ela se esparrama que nem gato de sofá. Foi aí que coloquei em cima de algumas porções: passas, ou pedacinhos de doce de laranja, ou de chocolate, ou nada, mesmo.

Diminuí a temperatura do forno ao mínimo.
Coloquei para assar e fiquei de olho, porque ouvi dizer que assavam rapidinho. Fiz isso ouvindo música de olhar (ou os cookies estariam cantando essa?).
Quando as bordas começaram a dourar, tirei do forno, descobri que tinha feito porções muito grandes, que viraram uma só, e deixei descansando um pouco.

Comi morno com a melhor geléia de morangos da galaxia, que só pode ser adquirida aqui em casa, já que momõe não faz pra vender.


e já se foram, coitados.





BTW, ontem foi aniversário do Bogolino queridinho e eu abandonei minha solidão pra dar um abraço nele. Foi bom, bom, bom e ainda serve como ilustração para a possibilidade de ter uma vida social quando se quer. ;)






Sossego chegou e já foi embora junto com os cookies, que já quase acabaram

Cover me, do Candlebox

6 comentários:

Solin disse...

adorei o post do Rock hahaha
eu queria mesmo dois minutos.

rapaz, tu mandou um negócio p tua amiga. manda um pedaço p mim????

:D

Tati disse...

Queria muito ter um amigo chamado Bogolino. ;o~~

Nathie disse...

E eu queria muito degustar uns cookies com casquinha de laranja, hoho xD

seu gordo disse...

gostei de todo o ritual parabens...

Solin disse...

é assim: toda vez que como algo que eu mesma cozinho e gosto, me sinto a própria Mayra congeminando.

A gente reaprende o prazer de degustar..

beijão

(desculpa os coments. sem noção)
^^

Marina disse...

só pra dizer que eu curti seu blog e já linkei! =)