.
.
.
.
.

domingo, 2 de agosto de 2009

das razões

Escrevi isso há quase um mês (e terminei às 03:30 da madrugada), mas ainda vale pela idéia (?). Estranho como alguns posts ficam aqui, marinando, prontos para serem publicados e alguma coisa acontece no meu coração que me impede de apertar o publicar postagem. Tem coisa tanta coisa esquisita no mundo, que nunca parei pra pensar sobre essa.



Agora veja bem: eu preciso sair de casa às 6 da manhã pra trabalhar. Acordei às 2:40 e não consegui voltar ao sono, mesmo estando triste de cansada. E é esse o ponto. Hoje eu descobri que quando me canso demais - mas demais, mesmo, cansaço mental junto com físico e fome pra caralho. O cara com quem dividi a sala hoje deve ter pensado que sofro de algum distúrbio de personalidade, já que no começo do dia eu beirava o agradável e no fim rosnava pra quem quer que chegasse a menos de 87,3 centímetros de mim. Cansaço me irrita. Fome me irrita. Gente chata me irrita. Agora pense nos 3 elementos reunidos na mesma tarde e BUM!, temos uma Mayra pronta pra esfaquear o primeiro que tente qualquer gracinha. Pensando assim, eu bem poderia ter vindo pra casa a pé - eu era mais perigo pros brother metedores [ui!] de medo que eles pra mim.

Passado o tempo de espera até chegar em casa, com o estômago dando pinote de dor - passe 6 horas de fome tendo gastrite e me conte como foi sua experiência - era de se esperar que eu matasse cachorro a grito, fizesse cara de má até pro Jorge, a incrível almofada bigoduda, mas não. Estranhamente eu tive vontade de chorar.

O fabuloso Jorge quando visto por mim.

Fiquei absolutamente irritada com a crise de mulherzice, o que me deu mais vontade de chorar. O jeito foi me resignar e tomar um banho ouvindo música de me acalmar, o que de fato ajudou bastante. Comida quentinha e coca super gelada ajudaram também.



E o X da questão? A idéia do post, a verdade por traz disso tudo?
Nada.




Escrevo. E pronto.
Escrevo porque preciso,
preciso porque estou tonto.
Ninguém tem nada com isso.
Escrevo porque amanhece,
E as estrelas lá no céu
Lembram letras no papel,
Quando o poema me anoitece.
A aranha tece teias.
O peixe beija e morde o que vê.
Eu escrevo apenas.
Tem que ter por quê?
(Razão de Ser, do Leminski)

7 comentários:

Tati disse...

As vezes eu tenho essas crises! Comigo acontece assim: se eu fico o dia todo nervosinha, reclamando mentalmente. Aí quando chega a noite já tô falando prá mim mesmo, "Tá bom, sua manhosa, chega já!" Aí eu fico brava comigo mesmo por brigar... comigo mesmo e começo a chorar!!!!

adadsdfasghdfashda... Okay, isso foi meio confuso, mas por aí você vê o nível da minha sanidade!

E eu adoro, adoro esse poema do Leminski em especial.

:o)

seu gordo disse...

e escreve pq tem quem le rsrsrsr abraço...

carmim disse...

ai, eu nem sei pq, mas me identifico com isso tudo ai...rs

Joyce Pfrimer disse...

ahhh! mayra! larga de ser mulherzinha! Seja homem já que sua mãe não foi! (???) haha!!!

Tadinho do Jorge...mas eu entendo perfeitamente! quem é que não se irrita e chora qd cansada? desde bebês eu acho q a gente faz isso!

=*

solin disse...

n sei o q dizer sobre essa crise. algo sensato.
mas se um da eu passar por aí, vc me hospeda?
rs
é sério!

vc faz umas comidinhas aí q vc inventa e q a pessoa do outro lado da tela morre de vontade de experimentar?
Eu aprendo e faço pão de milho/ cuzcuz (ou outra coisa típicamente Nordestina-paraibana-pessoense).

:)

Priscilla Bonfim disse...

Aff... tô sofrendo pra organizar isso aqui!!! Acho q perdi a prática de fazer perfil e de escrever acredita?! Uma professora com dificuldades de ortografia?!!

Débora. disse...

Já pensou em fazer um roteiro de filme???? ^^