.
.
.
.
.

domingo, 18 de outubro de 2009

da radiação goiana



Depois de mencionar algumas vezes o episódio do Césio 137 a alguns alunos, resolvi ler um pouco mais sobre os grandes acidentes envolvendo radiatividade no mundo.
Suponho que tenha sido por isso que eu sonhei que todos os controles remotos do mundo deveriam ser jogados fora, já que emitiam raios gama e esses, caso se juntassem aos outros que estavam sendo emitidos por sei lá que fonte, eram letais.
Ou talvez eu só esteja ficando maluca, mesmo.

Bom, pra quem não stalingrado no negócio, em 1987 nêgo achou, nas ruínas de uma antiga clínica radiológica, no centro de Goiânia, uma máquina de redioterapia, levou pra um ferro-velho e decidiu aproveitar o chumbo do cilindro. Dentro dele havia uma cápsula com um pó que no escuro ficava azul. Acharam tudo lindo, brincaram, passaram pozinho mágico na cara da meninada, usaram pra embelezar a mesa de jantar... até começarem a passar mal. A esposa do cara que achou a cápsula levou-a para a Vigilância Sanitária, onde, segundo a lenda, ficou esquecida ainda mais um par de dias. O pessoal demorou a descobrir o que era o problema e atribuíram todos os sintomas a alguma virose desconhecida.
Também... vamos lá: um acidente envolvendo um monte de Césio em Goiás nos idos dos anos 80. Quem imaginaria isso? Até o momento o que mais matava por lá eram as duplas sertanejas, que já pipocavam em todo canto. E a quantidade de agrotóxico nas lavouras, que começou a acabar com as infames duplas, mas não foi tão forte e não conseguiu completar o serviço.

Como eu ouço coisas sobre isso desde que aconteceu [não que eu me lembre, mas já era viva. Já tinha até uma irmã!], me surpreendi no espetáculo que os Barbixas fizeram em Goiânia no mês passado. O grupo pediu que a plateia sugerisse um evento histórico da cidade para ser usado como pano de fundo para um dos jogos. Sugeriram o Césio 137 e só um dos atores, o Elídio [super nerd, a propósito. ], sabia do que se tratava. Mmmm, os rapazes são paulistas, se não me engano, mas... um dos maiores acidentes envolvendo radiatividade aconteceu no Brasil e pouca gente ouviu falar. Foi isso que me espantou.

Diz-se que o governo tentou abafar a situação, especialmente porque a cidade sediava, nos mesmo dias, o GP Internacional de Motovelocidade e não queriam assustar a gringaiada. Maaas... vai saber se o esquema não foi só pra não ficar feio na foto depois.
O fato é que muuuita gente morre de câncer no estado ainda hoje e, segundo alguns, ainda em decorrência do Césio.

Quando eu era criança conheci uma mulher, colega de trabalho da minha mãe, se não me engano, que tinha alguma relação com o ocorrido. O marido morreu devido à radiação, ou algo assim. Hoje eu vejo que tava bem perto. Foi numa cidade a 54 quilômetros da minha e o trânsito entre as duas é constante. Quer dizer...

E daí descobri que um episódio da segunda temporada de House, MD parece ter sido inspirado no acontecimento goiano. O nome é "Daddy's boy". E o Capitão Planeta e Star Treck beberam da fonte [ha ha ha ¬¬] também.

Um curta do Jorge Furtado, feito em 89, narrado pelo Paulo José, faz referência [cortante] ao evento. No Youtube, está dividido em parte um e parte dois. É, aliás, um filme muitíssimo interessante. Vale a pena.


Quando [e se...] alguém vier me perguntar a razão de uma postagem sobre isso num blog cheio de coisinhas leves e pessoais, é provável que eu não saiba explicar. Mas posso dizer que é porque acho até feio que não se saiba de uma coisa dessas. Especialmente quando eu tanta gente poderia ter morrido na brincadeira.


*Mais uma coisa: a música é do Kraftwerk e menciona grandes problemas com radiatividade.




E quero ver quem vai ter a paciência de ler tudo. ¬¬

12 comentários:

Tati disse...

Eu li tudo! E sabe por que? Uma vez passou um especial sobre esse ocorrido no Linha Direta e achei muito interessante essa história. Eu fiquei completamente absurdada, como uma tragédia dessa, relativamente recente, foi esquecida tão rapidamente? Quer dizer, não foi nem noticiada corretamente, é uma coisa que pouca gente sabe mesmo. Acho que o governo quis mesmo abafar, como você disse. Legal saber que você fala sobre isso nas aulas. Mesmo sendo algo triste, é um fato histórico, não pode ser esquecido.

Toni Barros disse...

Eu aprendi sobre o caso na escola, sempre pensei que fosse de conhecimento geral.

Lembro de ter lido matérias a respeito quando o caso completou 20 anos.

Estudei na faculdade também, quando falamos sobre gerenciamento de crise. Junto com o caso do vazamento de isocianato de metila em Bhopal.

Toni Barros disse...

E Ilha das Flores, revi faz umas semanas pra mostrar pra algumas pessoas. Fiquei completamente absurdado (@lucindaa te dedico) de saber que eu convivia com pessoas que nunca tinham visto. =P

Manoel Leonam disse...

Para os seus alunos? você é professora é isso? de culinária? não né? claro que não!
Bem...
Césio 137, é difícil acreditar que alguém com mais de 20 anos nunca tenha ouvido falar. Tem uma banda punk em cada capital do país com esse nome, tem um filme sobre o ocorrido que fez um certo sucesso (estou com preguiça de procurar no google, mas acho que o nome é pesadelo na capital, ou algo próximo, eu sei que tem pesadelo no nome.)
Só faltou mesmo um desenho animado, a turminha 137.

Nathie disse...

Minha mãe conta que em meados do acidente viajou pra Agudos, e quando no ônibus falou que era de Goiás, geral se espremeu no canto oposto do ônibus, e ficou olhando ela com cara medo.

Haha, eu li tudo. E ficou bom, sério!

Tati disse...

Bom, quem sabe aí prá cima seja algo mais conhecido, mas aqui no interior do Paraná realmente foi um susto quanto passou esse Linha Direta sobre o episódio do Césio. Não foi algo que me foi ensinado no colégio. E na minha cidade não tem nenhuma banda punk chamada Césio 137, e olha que o que mais tem nessa cidade é banda punk.

Em tempo: "Até o momento o que mais matava por lá eram as duplas sertanejas". SENSACIONAL.

;o***

Solin disse...

"Até o momento o que mais matava por lá eram as duplas sertanejas. SENSACIONAL." ²
rs

Vi parte desse curta na TV Brasil um tempo desses.
Mas o que eu quero dizer é: quão instrutivo/didático foi seu sonho.
Te fez escrever uma mini-reportagem, e consequentemente, tomei ciência de uns detalhes que não sabia.

Eu tive paciência e estou mto satisfeita.

=*

Joyce Pfrimer disse...

Já vi ilha das flores algumas vezes e sempre me impressiono!

Só me lembri de ouvir falar sobre o césio 137 na escola e pela minha mae que tinha muitos "causos" sobre o ocorrido pra contar! tb me impressionava!

Nó! disse...

ah, mas na maioria dos livros de geografia, quando se estuda atualidades se faz uma menção ao caso

os barbixas nao foram bons alunos!

eu sei q meu professor deu uma aula sobre o césio quando eu fiz cursinho em santa catarina

Cachorro de 3 pernas disse...

Como eu tenho uma memória tipo a Sheldon só que com Alzheimer, eu lembro do Césio de comentarios do meu pai e de passar na TV (sempre vi muita TV). Mas pra mim, o césio deveria ser verde. Césio tem cara de verde e pronto.

Dri Viaro disse...

Olá, passei pra conhecer o blog, e desejar bom fds
bjsss

aguardo sua visita :)

Francis Leech disse...

Educação solidária, chuchú?
Eu acho uma chiqueza só ter acidente nuclear "no goiás"! Essas coisas não tem nem em são paulo!