.
.
.
.
.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

das coisas que eu tenho que ouvir



Começaram as aulas.
Gastronomia, primeiro período, universidade particular no interior de Goiás [por favor, contenham-se ao falar mal de Goiás. Só eu posso].
Ao contrário da coleguinha que chorou quando disse que estava naquela sala pra realizar o sonho da vida dela, eu não estava dando pulinhos de felicidade, a despeito de querer estar ali.
Antes que alguém venha me acusar de qualquer coisa, entendam: eu não sou exatamente uma pessoa efusiva. Gosto das coisas e me empolgo, sim, mas efusividade - em especial pessoalmente - não é meu forte. 
Outro ponto fraco da minha personalidade: paciência. Esse é um artigo raro aqui na minha cabeça oca.

O que eu quero agora é que vocês entendam a razão de a minha paciência ter desaparecido pra sempre. 
Vamos lá.

Exemplo # 1
Cheguei uns minutos depois de a aula ter começado, pedi licença, entrei pianinha e fui pro fundo da sala. Ouvi a professora falar de Português, Microbiologia, Nutrição, como preparar um cardápio, ficha técnica e saúde pública. Fiquei bem curiosa a respeito da disciplina, né? Não consegui deduzir qual era a disciplina e perguntei baixinho pro cidadão que estava na carteira da frente:
_Dá licença, que disciplina é essa?
O cara olhou pra mim como se eu fosse a anta mais anta e confusa do planeta inteiro, armou-se de voz que sugeria exatamente isso e largou:
_De gastronomia, oras!
_A DISCIPLINA, brother, não o curso!

*Cara de ponto de interrogação*

_Ah, isso aí eu não sei, não. 


Exemplo # 2
A professora, muito  bem informada, a propósito, comenta a respeito da dificuldade que algumas pessoas têm devido ao novo acordo ortográfico, quando o rapaz, ex-estudante de Letras com camisa puída de banda de heavy metal - se você já foi a uma faculdade de Letras consegue visualizar esse cara. Ele está em todas elas.  Vale dizer que ele deixou a licenciatura para fazer gastronomia e ganhar dinheiro para... voltar para a licenciatura. E que já havia entrado em todos os assuntos nos quais a professora entrou  - se manifesta:
_Mas não existe isso de "nova gramática", não existe uma "nova ortografia". Na verdade, nem existe uma ortografia. Ortografia é apenas uma FIXAÇÃO DA FALA--
Meu cérebro se desligou nesse momento e eu entrei em coma induzido por mim mesma até que ele calasse a boca. Sério. Não me lembro de uma palavra além disso, mas pela cara da professora ainda se seguiu um tempo de verborragia.


Cês tão vendo o que eu tenho que passar, né?
Pois é.

Em ambos os casos a minha vontade foi de levantar, dar um tapa na cabeça e gritar, bem desafinada e aguda: VÔ MATÁ?

13 comentários:

@sourainha disse...

primeiro que é mentira quando tu acha que não é efusiva, porque eu bem vejo tua reação quando o assunto da timeline é homem. segundo que esse cara é um tremendo babaca. boa noite

Natalia Máximo disse...

Agora imagina aguentar isso por quatro anos inteirinhos. Sua paciência vai ser muito testada. Boa sorte, amg

Nih_x disse...

É claro que toda sala deve ter um smart boy.

Pode divertir no começo, mas no decorrer do curso irrita. Muito. A Natalia Máximo vai concordar comigo.

Nossa sorte é que os dois smartões que surgiram em nossa sala logo saíram. Vamos ver como vai ser nesse ano, né Nat? hahaha

Tati disse...

Uma veia do meu cérebro ROMPEU lendo o exemplo dois. É que ela já tava meio tremelicando depois do exemplo um.... Também tenho uma paciência RARA, TÊNUE, que a cada dia se esgota um pouco mais. Complicado.

Letícia disse...

Amigue, eu sei exatamente o que é passar por isso. Toda vez que você sentir o desespero, te convido a fuçar os arquivos do meu blog, entre os anos de 2005 a 2008, pra você não se sentir só.
A boa notícia é que muitos desses sem noção perdidões do começo acabam saindo ali pelo segundo semestre. Vou torcer pra que seja esse o caso.
Beijo!
P.S.: gente afetada é fogo mesmo.

Alana Ávila disse...

A respeito do comentario aí em cima, tambem tenho fé que isso aconteça na minha turma.
psicologia amic,s paciencia, eu...tenso.

Só tenho medo da presença de facas, otários e a senhorita no mesmo lugar. Nada mais.
Se bem que...pimenta, vinagres...olhos alheios....

Ó U PERIGO!

Débora. disse...

hahhaa coméeedia! Imaginei a última cena; com absoluta certeza, gostaria de estar presente!

(¬¬ que clip mais nojento...rs, dei conta de ver não oO)

Swdezerbelles disse...

Haha É rir pra não chorar..
O cara do exemplo dois superou o "exemplo" que eu tinha lá da faculdade. Não querendo te desanimar, sorte aí, se no começo está assim.. imagina o resto do curso. O bom que vc terá muitas "pérolas" para contar pra gente..rs

Jana disse...

Cada vez tá mais difícil de socializar, né? rs...

beijos prôce e boasorte com os coleguinhas!

Cachorro de 3 pernas disse...

Até parece que não fez meio curso de trad... bom, pelo menos lá a gente ouvia uma galera falando que "disconcordava" da professora qdo o assunto era abdução...:P

Cachorro de 3 pernas disse...

Até parece que não fez meio curso de trad... bom, pelo menos lá a gente ouvia uma galera falando que "disconcordava" da professora qdo o assunto era abdução...:P

estevan sem metafísica... disse...

admiro a forma que você tem de pegar um assunto que, aparentemente, não serve pra muita coisa, e fazê-lo render bons parágrafos.

Cris disse...

hahahaha adorei, já vi que esse curso vai render belos posts!