.
.
.
.
.

sexta-feira, 4 de março de 2011

dos acontecidos na madrugada



Era um dia de merda, e a madrugada, que aparentava ser a redenção, chegava ao fim. Trouxe um dia muito claro, apesar de nublado, e implorava que as persianas fossem fechadas. Antes de finalizar o dia, deveria finalizar a fome que atordoava o cérebro havia mais de três horas. Para tanto foi até a cozinha, escolheu um pacote individual de biscoito, abriu o pacotinho ali mesmo, porque detestava que farelos caíssem em sua cama, pegou um copo de suco e voltou para o quarto, onde gastava todo o seu tempo livre com aquela que é a madrasta do sono, a internet.
Sentou-se na cama, ajeitou o notebook no colo, tomou um gole de suco, pegou um biscoito, mastigou, engoliu e pegou novamente o copo de suco. Até aí, tudo bem, essa história não tem nada de diferente da madrugada de tantas outras pessoas com fotofobia, horários tortos e um estômago vazio na madrugada. O diferencial está no próximo período, acompanhe: 
Sem olhar exatamente o que fazia, bebeu mais um gole de suco e, ao devolvê-lo ao gaveteiro organizador que lhe servia de suporte, errou a mira e deixou o copo cair.  O baque seco, apesar do suco derramado, o desespero para ver o que havia acontecido sem derrubar o computador que acabara de voltar da assistência - tendo sido a ida causada por um tombo -, a preocupação com o colchão, o filtro de linha, o cabo do laptop, a tomada da luminária, o próprio gaveteiro organizador que lhe servia de suporte, os dois volumes de enciclopédia que estavam ali e serviam para que não queimasse a perna e a barriga com o calor da máquina, a pasta do computador, que estava embaixo dos livros e em cima do gaveteiro organizador que lhe servia de suporte, tudo no mesmo milésimo de segundo e algumas gotas de suco voaram para o monitor e o teclado. Limpou logo, deixou o computador em local seguro e foi checar o estrago. Virol com uma fabulosa mancha, chão alagado, chinelo teve perda total, mas o copo estava intacto. Sim. Sem um arranhão.zinho sequer, um milagre, uma vez que o copo era de vidro. E este ainda não é o fato mais intrigante. O fato mais intrigante só chega no final do texto. Ou não. 


Bom, o descanso estava abalado. Levantou-se, pegou um bolo de papel higiênico para absorver pelo menos um pouco daquela bagunça. Abriu a porta externa da casa, pegou seu rodo modernoso e pôs-se a limpar o chão, o criado mudo e o gaveteiro organizador que lhe servia de suporte. Como se cansara de limpar o rodo e passar novamente, jogou meia garrafa de álcool no chão para ajudar no serviço. Isso deixou o quarto com cheiro de vinho barato, mas quem liga? O importante era não haver um ataque de formigas enquanto dormia. 
Tirou o virol avariado, deixou-o de molho, junto com uma roupa que também fora atingida e voltou para a cama. Deve-se observar que o biscoito fora comido durante o processo de limpeza, que multitasking era uma de suas habilidades. 
Sentou-se e observou, horrorizada, que Jorge, o Hilário havia sido atingido, apenas para se horrorizar mais quando reparou que Chicken Little, o galinho nerd apresentava sinais de ferimentos. Foi com os dois para a cozinha e fez o melhor que pôde. Estão ainda em recuperação e seu prognóstico é incerto. 
Retornou ao local do incidente e, de frente para a cama, tentou analisar como teriam sido atingidas as duas vítimas, posto que não tinha em si nenhuma marca e, mesmo que tivesse sofrido com o ataque, seu corpo teria sido uma barreira e Jorge e Little não teriam sofrido.
Num sinal de desespero, olhou para cima e constatou a coisa mais absurda [muito mais absurda que a não quebra do copo] no evento:

TINHA SUCO DE UVA NO TETO DO QUARTO.


É isso. 
Essa é uma história verídica, que aconteceu comigo mesma por volta das 6 da manhã deste dia tão claro e nublado. Ainda estou espantada com as manchas do suco de uva no teto e o dotô disse que os feridos devem se recuperar, mas terão sequelas.
Quero mandar um beijo pro meu pai, pra minha mãe, pra você, pra Xaxa e pro gaveteiro organizador que me serve de suporte.

a prova do crime.



Lembrem-se de que eu disse OU NÃO depois de falar que o fato era intrigante. 
Pela atenção, obrigada. E não, isso não são estrelinhas, são respingos de outras bebidas que voaram para o teto e--





8 comentários:

Débora. disse...

OO OO OO caracas!!!!!

rs...ahhhh, então ou seu pc está em casa? rs estou esperando o convite para eu ir ai "roubar" suas músicas! =P

Ótima história! rs

Poliana Fonteles disse...

Karak! Qu lei da física explica isso PelamordeDeus! kkk

Ei, você escreve bem demais, foio que me prendeu até o fim...

abraço!

Letícia disse...

Gente, que história. Quando a gente morava no apartamento ainda, surgiu um respingo de DOCE DE LEITE no teto. A gente nunca descobriu quem foi o responsável (não fui eu!).

Tadinhos do Jorge e do Little. Dê notícias quando souber da situação deles. :P

Ah, na casa da minha amiga também tem dessas estrelinhas fofas no teto!

Alana Ávila disse...

se isso são respingos de outras bebidas, o teto do meu quarto tbm anda avariado.
õ.o
hahahahahah

MAS AMIGA, isso é totalmente normal. Teve sorte de não ser comida. Porque essa você não nota e cai bem na sua cabeça.
Se bem que, acordar com pingos de suco de uva na testa, não ilumina em nada o dia.

mas vamos os concentrar no fato que: TU É MÃO DE VACA.
Não no sentido de dinheiro,
mas no sentido de não saber segurar as coisas.
Eu sei porque eu sou assim.
Mãe passou a infância me chamando de mão de vaca, em TODOS OS ALMOÇOS/JANTAS/LANCHES/AFINS

Anônimo disse...

hahahahahha nice 1

Fabiana disse...

Este blog anda PURA EMOÇÃO.

hipervitaminose disse...

Vc sempre me surpreende com as tuas histórias, não imaginava esse final fatídico, com gotas de sang... SUCO, pelo teto! Vc anda precisando de mais hs de descanso, Ma, sem mais.

Bjão!

Livia Holanda disse...

A pessoa prova que é ninja do malabarismo desastrado quando prova até com foto uma das proezas.

Cê tá de parabéns!
hahahahaha

muá