.
.
.
.
.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

dos papeizinhos na parede



Tava aqui ouvindo essa música, cantando desafinadamente e me lembrei de um lance ocorrido lá nos idos de 2006, quando passei, por livre e espontânea pressão, a dividir quarto na república onde morava. A princípio eu não tinha nada contra a menina, mas eu sou chata, né? Não gosto que mexam nas minhas coisas e estava bem aborrecida pela "quebra de contrato" que rolou. Além disso, nunca fui muito afeita a conversas quando estou lendo ou ouvindo música ou escrevendo ou qualquer desses momentos em que eu quero ficar enfurnada sozinha em algum canto. E numa casa com 7 moradores fixos e seus respectivos agregados, o único lugar em que se tem um pouco de privacidade é o quarto. Dito isso, passemos ao fato de que a parede do meu era um grande mural, cheio de fotos, papéis com trechos de poemas, livros, músicas, diálogos reais e abobrinhas saídas da minha cabeça. Um desses papéis, dos maiores, aliás, continha uma adaptaçãozinha de um pedaço de Off He Goes e dizia "It's like her thoughts are too big for her size".
Um belo dia, a moça, que é bem baixinha, chegou, apontou o dedo para o alto da parede, indicando o papel em questão, e perguntou:
_Isso é sobre mim?
_Oi?
_Essa frase é sobre mim? Eu posso não fazer tradução, mas sei inglês.
_Ué, não entendi.
_"É como se sua língua fosse grande demais para o seu tamanho", eu sei que eu falo muito, mas precisava disso?
_Nãaaao, Fulana. É "pensamento", não "língua". É parte de uma música de que gosto muito e é sobre mim, só isso.

Minha primeira reação foi a de querer zoar pela confusão, mas me controlei, porque, acreditem vocês ou não, detesto ofender as pessoas. Muito tempo depois [agora] me ocorreu que é mais um exemplo da Teoria dos Cheiros

Isso tinha uma conclusão legal, mas não lembro qual era [bom, ao menos serviu pra tirar a poeira do brogue =P].


Com algum atraso, feliz ano novo, gentes! Ainda tá no comecinho, tá em tempo e 2011 foi tarde!
=*!