.
.
.
.
.

quarta-feira, 14 de março de 2012

da facilidade



Imagem é algo que sempre me interessou. Tanto a imagem que fazemos de outras pessoas quando a que temos de nós mesmos, a que tentamos passar e, no fim das contas, a que muitas vezes falhamos em passar ou captar.

A conclusão da vez é que, de forma geral, as pessoas não se incomodam muito em observar de verdade e caem no conto da imagem que os outros querem passar. Explico: fulaninha faz voz de menina meiga, fala como uma menina meiga, tem cara de menina meiga, mas é uma cretina. Essa cretina só precisa bancar a bacana um pouquinho, até as pessoas se acostumarem, e depois nem precisa atuar tanto, porque se ela tem voz, cara e jeito de gente boa, por que não seria? É claro que uma ou outra mãe/amiga de quem anda com a cretina vai reparar isso e vai alertar, mas ninguém vai dar atenção. O contrário acontece da mesma forma e me parece ser ainda mais fácil se enganar com alguém que pareça bravo, eternamente irritado ou impaciente. Se o cidadão não sorri o tempo todo, obviamente está sempre de mau humor, né? Não. Seriedade, "braveza", irritação e mau humor parecem estar colados em algumas caras sem necessidade. 
Uma professora perguntou essa semana por que as pessoas acham que ela dá bronca quando está simplesmente falando. Eu suponho - e disse isso - que seja pelo fato de ela ser enérgica, ou incisiva, na hora de falar. Nessa onda não é raro ofender ou magoar, chatear, sei lá, gente mais sensível que, afinal, só não anda com um sorriso falso estampado na cara porque acha desnecessário ficar fingindo por aí.
Acontece que cidadão é meio desatento também. Cidadão não repara que as pessoas são diferentes sem que sejam melhores ou piores, têm apenas outras características. Cidadão entende que sorriso é sempre bom e cara séria é sempre ruim. Cidadão acredita que passar dez minutos por dia com alguém é, necessariamente, conhecer esse alguém de verdade. Cidadão jura que consegue analisar todo mundo sem se dar o trabalho de conversar, de conhecer e, oi, de observar detalhes mais atentamente.
 

Mas até aí, pra quê? Tudo o que você precisa saber sobre uma pessoa tá estampado na roupa dela, não tá? Tá na calça com um desfiado na perna, na camiseta com estampa de caveiras, no sapato rosinha ou no vestido florido. Tá no sapatênis, na gola polo, na camisa de flanelado xadrez e nos óculos. 
Vai lá, campeão. 
Tá fácil.




A despeito do tom, isso não se dirige a ninguém em particular, ok? vlw flw =)