.
.
.
.
.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

das conexões



Eu tive um sonho. 
No meu sonho, Jeff Buckley e Nina Simone gravavam um disco juntos, faziam uma turnê e eu assistia a um show. No meu sonho, as versões eram maravilhosas, misturavam o melhor dos dois, me encantavam e me  faziam chorar de emoção. No meu sonho, Nina entrava com voz e piano num dueto em Lover You Should've Come Over e eu me debulhava em lágrimas, porque pouca coisa no mundo poderia ser tão linda.


É evidente a influência da Nina no trabalho do Jeff; é só olhar quantas músicas ele pegou emprestadas e observar que nem mexeu muito nelas, só botou sua impressão, talvez sem nem reparar. Sendo fã dele antes de conhecê-la, eu aprendi Nina Simone sob a voz de Jeff Buckley e talvez seja esse o motivo pra eu achar as versões tão lindas.

Começou com Lilac Wine, que foi gravada no Grace e me causou grandecíssima surpresa quando descobri que não era dele. [Jeff. Nina]
Depois veio The Other Woman, que tá na Legacy Edition, coisinha linda, tô ouvindo no youtúbio e opa, tem com a Nina também, como é isso?
 I Loves You Porgy é clássica, todo mundo conhece. Belo dia eu tô ouvindo um show do Buckley e ele manda I Loves You Poooorgy.
Saindo da delicadeza tão evidente nas primeiras músicas ali, Be My Husband e Be Your Husband
Strange Fruit tá nos discos ao vivo dele e nos dela.

Voltando à delicadeza, mas, assim, exagerando, tomando uma overdose dela, If You Knew, que foi outra música a quase me matar quando percebi que era cantada por ambos.
Nina aqui, Jeff de cá
Acho que a que me provocou a reação mais exagerada [respiração suspensa, suspiro, seguido de tapinhas pra tentar fazer o coração voltar a funcionar] foi That's All I Ask [que eu sempre quero chamar de All That I Ask], uma das minhas favoritas dele. A versão que eu ouvia não tinha a informação "this is one of Nina Simone's", então eu fiquei na ignorância por alguns anos, mas agora já encontrei a luz. E é um caso interessante em que a versão da Nina é mais ~suave~ que qualquer outra. 

Há ainda uma versão perdida do Jeff cantando Ne Me Quitte Pas, linda [tá bom, eu sou suspeita] que, como não foi encontrada no site preferido de vídeos, não entrou na lista. 

A playlist completa, a quem interessar possa.


Em outra editoria, tô viva, tô vivona. 
Um pouco.