.
.
.
.
.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

da macacada


Alguns de vocês já tiveram o [des]prazer de me ouvir narrar a sequência de empecilhos que me atrapalharam a ver o Macaco Bong. Outros nunca ouviram nem falar da banda, então vou começar assim:

O Macaco Bong é um power trio de Cuiabá que atualmente está ancorado em São Paulo - quando não está em viagens de turnê. Além do reconhecimento nacional, corre à boca pequena que a galera do Mogwai os tem em altíssima conta e qualquer pessoa sabe que isso é a glória. Pelo menos no meu mundinho. :D 
Bom, os meninos tocam o que eu chamo de Post Rock [mas pode ser que não gostem do rótulo - vou perguntar] e têm um alcance bastante impressionante, se considerarmos que fazem música instrumental. 
Daí que eu fui ao Planeta Terra em 2009 e quando chegamos, a banda tocava a parte final da última música. Ficou pra próxima. No início de 2010 eles vieram fazer um show em Anápolis. Era de graça, era perto da minha casa, mas eu não pude ir, porque era o dia da formatura de uma pessoa muito importante. Deixei para a próxima. Perdi dois ou três shows em Goiânia, por desinformação, mas teria a minha desforra em Brasília. Gravei na mente a data do show e na quinta feira programada passei correndo em casa, tomei um banho, fui linda e perfumada, de ônibus, para o outro extremo do Plano Piloto, cheguei ao teatro e reparei um vazio. Me perguntei se era assim mesmo, se por algum acaso absurdo o show estava despovoado. Pensava isso enquanto me dirigia à bilheteria para ouvir o seguinte:
_Uai, moça, não tem nada disso aqui, não.
Voltei para casa me arrastando e confirmei que me adiantei. O show seria na semana seguinte. 
Na quinta feira da outra semana saí mais cedo de casa para manter os horários das aulas certinhos e ir da casa do último aluno direto para o teatro. Aconteceu que eu escorreguei. Rolei escada abaixo, me machuquei toda, levantei e fui dar minhas aulas. No meio da tarde a última foi cancelada e dirigi-me a um shopping pra passar o tempo. Nesse meio tempo, meu corpo esfriou e a mão que estava ralada e torcida resolveu reclamar, assim como o pé e o joelho esquerdos e a cabeça.  BANG, meusa migos, perdi mais um show do Macaco Bong. Em julho, quando fui a São Paulo, cidade onde eles se apresentam toda semana, não fizeram nem meia apresentação antes de eu vir embora. Ou seja, é o destino. Mas quem manda em mim sou eu e agora tudo vai mudar! *música instrumental tensa*


Esta semana eles retornarão a Anápolis e dessa vez podem fazer a mandinga que for, que eu estarei lá, na frente do palco, plantada feito uma estátua [eventualmente olhando ao redor pra não ser pega de surpresa pela onda de azar que curte me acometer] e provavelmente hipnotizada pelas músicas. Dessa vez eles vêm em companhia do pessoal da Pez, banda da Argentina, com que o Macaco tocou na turnê que fez por lá esses dias.

Quem andou lendo o blog ultimamente talvez se lembre do post em que eu contei como eles foram super bacanas e me permitiram usar um pedacinho de Fuck You Lady no vídeo promocional da Belezhnik e ainda divulgaram, sem que eu tivesse pedido, fato que quase provocou um ataque cardíaco na minha pobre pessoa. Ou seja: além de serem músicos fodas [e terem chamado o System Of A Down pra fechar o show deles =P], são pessoas boas e generosas [tô pagando um pau, mas quem liga? Fã pode]. :D




Então, ó: neste sábado, dia 22 de outubro de 2010 eu finalmente verei um show do Macaco Bong, no Joana Dark Pub, localizado à  Av. Contorno n° 1726 Centro, em frente à Doce Paladar e o telefone é o 39439246. A casa, que não aceita menores de 18 anos, abre às 22:00 e os shows começam pontualmente às 23:30.
A entrada custa 15 legaus e eu só digo uma coisa: vale bem mais que isso. 

VEM GENTE!


*Só pra controle: este não é um post pago. Galera não precisa disso. :)


UPDATE: Como a Tadsh observou, tô me boicotando e o show é em 2011, dois mil e onze, doismileonze. pqp eu!